A SECULARIZAÇÃODA IGREJA

Jesus, orando pelos discípulos disse: “Eles não são do mundo” (Jo 17:16) Apesar da igreja ter sido colocada no mundo, ela não faz parte dele, sua natureza é espiritual. Pedro, em sua primeira carta, insiste com os irmãos quanto ao fato de que eles eram estrangeiros e peregrinos neste mundo (1Pe 2:11). O dicionário define peregrino como aquele que está nesta vida para passar à eterna. Paulo, na carta aos Filipenses, diz: Mas a nossa pátria está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo. (Fl 3:20) Quando falamos em secularização da igreja, estamos nos referindo ao processo gradual de apego e amor às coisas terrenas, ao mesmo tempo em que ela desvaloriza as coisas espirituais.

 


É a aceitação daquilo que é mundano em relação ao que é santo. É a inversão de valores por parte da igreja, quando ela começa a se voltar para o presente século esquecendo-se completamente de sua natureza e do seu futuro eterno. A secularização, ou de forma mais direta, a mundanização da igreja é sem dúvida a razão da frieza espiritual tão evidente em nossos dias. Por isso, há tantas advertências nas escrituras quanto a buscarmos o que é eterno:

Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.” 2Co 4:18

Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra; Porque já estais mortos, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus. Cl 3:1-3

"Não acumulem para vocês tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem, e onde os ladrões arrombam e furtam. 20 Mas acumulem para vocês tesouros no céu, onde a traça e a ferrugem não destroem, e onde os ladrões não arrombam nem furtam. 21 Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração.” Mat 6:19-21

A prova de que a secularização tem invadido a igreja nos dias de hoje, encontra-se no fato de que sua pregação está impregnada dos valores terrenos. Nunca, em toda a história da igreja, se falou tanto de valores e bens terrenos. O evangelho pregado, é o evangelho das facilidades, das bençãos, e, infelizmente, um evangelho sem cruz. O conteúdo da pregação da maioria dos pastores, é o mesmo que, infelizmente, se encontra na boca dos “gurus” de auto-ajuda. Não se fala mais de Jesus, verdades eternas como: Santificação e consagração foram abolidas tendo em vista o bem estar do homem. Hoje, apresenta-se aos homens um Deus que tudo faz e nada pede; um Deus submisso e refém do homem; um Deus que existe apenas para atender as exigências e determinações do homem. Aceitam um Salvador, mas rejeitam um Senhor, querem a salvação, mas rejeitam a cruz.

Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho. 22 Mas, se o viver na carne me der fruto da minha obra, não sei então o que deva escolher. 23 Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir, e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor. Cl 1:21-23

Até mesmo os hinos cantados pela igreja foram influenciados pela secularização. As letras de boa parte das músicas cantadas falam da importância de lutarmos pela “vitória” e pela “benção”. Quando investigamos a origem de tais expressões nos damos conta que se referem a conquistas neste mundo. Que diferença, quando comparamos com os antigos hinos, que eram cantados pela igreja no passado:

“À pátria abençoada vou,

ansioso peregrino sou,

em busca do feliz lugar

no qual eu hei de descansar.

Oh bela terra de esplendor,

querida herança do Senhor;

olhando, vejo além do mar,

que breve eu hei de atravessar,”

A linda praia perenal, querido lar celestial.

Quando confrontamos os nossos dias com outros períodos da História da Igreja, podemos concluir que nunca foi tão fácil professar a fé cristã como agora. Porém, toda esta facilidade não foi capaz de nos tornar cristãos melhores. Alguém já disse que o grande inimigo da igreja que se encontra nos países livres é sua liberdade, Ela é a responsável por estarmos tão apegados a este mundo. De fato, a Igreja de nosso tempo está se secularizando tão, ou mais rapidamente, do que todas as que antecederam.

No Terceiro Século, a Igreja vinha sofrendo duramente com as perseguições e investidas do Império Romano. Mas, apesar de toda a perseguição sofrida pela igreja, ela seguia firme, edificando-se e crescendo em número. Todo esse quadro de benção, mudou completamente com a [suposta] conversão do Imperador Constantino. O cristianismo, de perseguido, passou a ser a religião oficial do Império e, agora, ser cristão era uma questão de estar na moda. Os cristãos passaram a desfrutar de grandes privilégios e benefícios. Em pouco tempo, nos mostra a história, a Igreja mergulhou numa profunda escuridão espiritual que perdurou por toda a Idade Média. Mais tarde, Deus levantaria homens como: Francisco de Assis, John Wycliffe, John Huss e Martinho Lutero, que despertariam a Igreja de seu sono espiritual, culminando na Reforma Protestante. Essa experiência na história da igreja nos mostra pelo menos duas verdades:

1) A ausência de perseguição e sofrimento, afastavam a igreja da comunhão com o Senhor;

2) Esses ingredientes é que a santificavam e faziam com que ela se multiplicasse.

“Porque também vos compadecestes das minhas prisões, e com alegria permitistes o roubo dos vossos bens, sabendo que em vós mesmos tendes nos céus uma possessão melhor e permanente. Não rejeiteis, pois, a vossa confiança, que tem grande e avultado galardão.” Hb 10:34,35

“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, Para uma herança incorruptível, incontaminável, e que não se pode murchar, guardada nos céus para vós,” 1Pe 1:3,4

“Todos estes morreram na fé, sem terem recebido as promessas; mas vendo-as de longe, e crendo-as e abraçando-as, confessaram que eram estrangeiros e peregrinos na terra. 14 Porque, os que isto dizem, claramente mostram que buscam uma pátria. 15 E se, na verdade, se lembrassem daquela de onde haviam saído, teriam oportunidade de tornar.

16 Mas agora desejam uma melhor, isto é, a celestial. Por isso também Deus não se envergonha deles, de se chamar seu Deus, porque já lhes preparou uma cidade.” Hb 11:13-16

“Porque não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura.” Hb 13:14

“Porque sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos de Deus um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus. 2 E por isso também gememos, desejando ser revestidos da nossa habitação, que é do céu; 3 Se, todavia, estando vestidos, não formos achados nus. 4 Porque também nós, os que estamos neste tabernáculo, gememos carregados; não porque queremos ser despidos, mas revestidos, para que o mortal seja absorvido pela vida. 5 Ora, quem para isto mesmo nos preparou foi Deus, o qual nos deu também o penhor do Espírito. 6 Por isso estamos sempre de bom ânimo, sabendo que, enquanto estamos no corpo, vivemos ausentes do Senhor 7 (Porque andamos por fé, e não por vista). 8 Mas temos confiança e desejamos antes deixar este corpo, para habitar com o Senhor.” 2Co 5:1-8

LAODICÉIA – UMA FIGURA DA IGREJA DOS ÚLTIMOS DIAS

“Ao anjo da igreja em Laodicéia escreva: Estas são as palavras do Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o soberano da criação de Deus.15 Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente! 16 Assim, porque você é morno, nem frio nem quente, estou a ponto de vomitá-lo da minha boca. 17 Você diz: Estou rico, adquiri riquezas e não preciso de nada. Não reconhece, porém, que é miserável, digno de compaixão, pobre, cego e que está nu. 18 Dou-lhe este aconselho: Compre de mim ouro refinado no fogo e você se tornará rico; compre roupas brancas e vista-se para cobrir a sua vergonhosa nudez; e compre colírio para ungir os seus olhos e poder enxergar. 19 Repreendo e disciplino aqueles que eu amo. Por isso, seja diligente e arrependa-se. 20 Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei e cearei com ele, e ele comigo.” Ap 3:14:20

Laodicéia estava localizada a sudeste de Filadélfia, nas proximidades de Colossos. Trata-se de uma velha cidade Frigia que originalmente se chamava Dióspolis e depois Rheos. Somente mais tarde ela recebeu o nome de Laodicéia em honra a Laodice, a terrível esposa de rei Sírio, Antioco II. Ao Tempo dos apóstolos, Laodicéia era uma cidade próspera. Era uma cidade de grande riqueza, mas no ano 62 ela foi, junto com Hierópolis e Colossos destruída por um terremoto. Mas por causa de sua grande riqueza, ela pode ser reconstruída tão rápida e completamente que ao tempo em que João recebeu a revelação do apocalipse a catástrofe já havia sido esquecida. Foi reconstruída com recursos próprios, sem o auxilio do império.

A carta a igreja em Laodicéia é a última das sete cartas escritas às igrejas da Ásia. Num sentido profético, Laodicéia representa a Igreja de hoje, a Igreja do final dos tempos, a Igreja que afastou-se do Senhor e que o deixou do lado de fora. É a Igreja apóstata. Vivemos nos últimos dias, no tempo da justiça própria, do materialismo, do bem estar e do egoísmo. Todas estas coisas tem levado a igreja a um estado de completa frieza espiritual. Este era o problema da Igreja em Laodicéia: “Estou rico, adquiri riquezas e não preciso de nada.” Amados, vivemos os últimos dias da igreja nesse mundo, estejamos atentos e obedeçamos a palavra dada a nós pelo apóstolo Pedro: “para que, no tempo que lhes resta, não vivam mais para satisfazer as paixões humanas, mas sim para fazer a vontade de Deus. 3 No passado vocês já gastaram tempo suficiente fazendo o que agrada aos pagãos. Naquele tempo vocês viviam em libertinagem, na sensualidade, nas bebedeiras, orgias e farras, e na idolatria repugnante. 4 Eles acham estranho que vocês não se lancem com eles na mesma torrente de imoralidade, e por isso os insultam. 5 Contudo, eles terão que prestar contas àquele que está pronto para julgar os vivos e os mortos. 7 O fim de todas as coisas está próximo. Portanto, sejam criteriosos e sóbrios; dediquem-se à oração. 8 Sobretudo, amem-se sinceramente uns aos outros, porque o amor perdoa muitíssimos pecados. 9 Sejam mutuamente hospitaleiros, sem reclamação. 12 Amados, não se surpreendam com o fogo que surge entre vocês para os provar, como se algo estranho lhes estivesse acontecendo. 13 Mas alegrem-se à medida que participam dos sofrimentos de Cristo, para que também, quando a sua glória for revelada, vocês exultem com grande alegria. 14 Se vocês são insultados por causa do nome de Cristo, felizes são vocês, pois o Espírito da glória, o Espírito de Deus, repousa sobre vocês. 15 Se algum de vocês sofre, que não seja como assassino, ladrão, criminoso ou como quem se intromete em negócios alheios.16 Contudo, se sofre como cristão, não se envergonhe, mas glorifique a Deus por meio desse nome. 17 Pois chegou a hora de começar o julgamento pela casa de Deus; e, se começa primeiro conosco, qual será o fim daqueles que não obedecem ao evangelho de Deus? 18 E, se ao justo é difícil ser salvo, que será do ímpio e pecador? 19 Por isso mesmo, aqueles que sofrem de acordo com a vontade de Deus devem confiar suas vidas ao seu fiel Criador e praticar o bem.” 1Pe 4:2-5 ; 7-9 ; 12-19 (NVI)

Que o Senhor tenha misericórdia de nós!